TRAPICHE DO ATEU

UM BLOG DE ECOLOGIA MENTAL. PARA REPENSAR O HOMEM E SUA RELAÇÃO COM A VIDA E COM O MUNDO.

terça-feira, 29 de março de 2011

UTOPIA RACIAL, SOCIAL E ECONÔMICA



(Cezanne)


Abolido o conceito de raça, assume-se a globalização do homem. Embora lenta, aos poucos a miscigenação decretará apenas nuances no biótipo humano. Não haverá pretos, brancos ou amarelos, mas a mistura de todos eles, num espectro largo e diverso de seres humanos e culturas que tenderão a se interpenetrar. Uma espécie de cultura universal poderá unir a todos, embora se possa pensar que o regionalismo conservará suas raízes, para garantir a riqueza cultural da humanidade, que é a diversidade de usos e costumes. Povos indígenas, por exemplo, conservarão suas tradições, mas não serão excluídos das vantagens do progresso, competindo em igualdade de condições com quaisquer outros povos de qualquer parte do mundo. Miscigenado, o homem deixará de ser isto ou aquilo por imposição étnica, mas poderá optar pela cultura que melhor se adapte às suas disposições idiossincráticas. A raça humana só tem a ganhar com a eliminação de conceitos racistas e preconceitos culturais. Fronteiras de estados serão apenas riscos nos mapas, para melhor localização física, mas a liberdade de estar em qualquer lugar do mundo deverá ser uma das maiores conquistas humanas. Os processos migratórios deixarão de seguir correntes em busca de oportunidades, porque as diferenças econômicas e sociais entre as nações serão quase que totalmente eliminadas, por um sistema único de proteção social, de empregabilidade e de oportunidades de vida. Cada povo continuará com seu sistema linguístico, mas todos falarão uma língua universal, provavelmente o esperanto, usado nas comunicações internacionais.



Nenhum comentário:

Postar um comentário